segunda-feira, 22 de agosto de 2016

EDUCAÇÃO DOUTRINÁRIA: O DILEMA DE SER CONTRA. OU: O DESABAFO DE UMA FUTURA PEDAGOGA


Olá, eu preciso desabafar com vocês! E digo que é com vocês porque sou Pedagoga em formação, estudo no faculdade de educação da UERJ e estava mostrando para meus amigos os absurdos que aprendo sobre “o que é ser um professor” e um deles me deu a ideia de falar isso para vocês.
Bem, como eu já disse, faço pedagogia e um dia darei aula para os filhos de vocês, mas, em relação a mim, os senhores não precisam se preocupar, não quero ser doutrinadora, quero ser professora, e por isso não levo a sério o que os professores da universidade falam e estudo por mim mesma em casa, com livros, pela internet e por outros métodos. Mas gostaria de explicar melhor porque não posso e nem devo levar a sério o que meus professores universitários (ou doutrinadores?) me passam sobre o que é ser um professor.
Primeiro, esses profissionais informam que tudo que há de ruim no mundo é culpa do capitalismo e da pedagogia tradicional. Se seu filho não sabe ler direito aos 14 anos, é culpa do capitalismo e da pedagogia tradicional. Seu filho não sabe fazer conta? o professor vai dizer que é culpa do capitalismo e da pedagogia tradicional. Todavia, observem as ideias de autores adorados na Pedagogia: “O professor deve trazer à atenção dos alunos aquelas ideias que deseja que dominem suas mentes. Controlando os interesses dos alunos, o professor vai construindo uma massa de ideias na mente que, por sua vez, não vão favorecer a assimilação de ideias novas.”, frase de Johann Friedrich Herbart. Há algo de libertador nisso? Não. Nada mais que doutrinação pura. E o tempo todo recebo ensinamentos de como “superar a escola tradicional”, e fico me perguntando o que há de tão errado no ensino tradicional, já que as melhores escolas do Brasil tem ensino puramente tradicional, como por exemplo as escolas Santo Agostinho e São Bento, as escolas presbiterianas, escolas salesianas e os Colégios Militares. E também aprendo que tenho que ensinar seus filhos sobre classe social. Para exemplificar, em uma página de uma das minhas apostilas está escrito “classe social” umas 20 vezes.
Aprendo que o ensino está ruim por culpa do capitalismo opressor, que organiza as escolas de uma forma em que os filhos das pessoas mais ricas tenham um ensino que os façam permanecer em suas classes acreditando que conseguiram suas coisas por mérito próprio e que filhos de pessoas mais pobres tenham um ensino ruim para que ele continue na pobreza. Agora me explique, amigo socialista: se a chamada elite tem uma educação de qualidade, como estes mesmos dizem, porque ao invés de inventar um método novo (Paulo Freire) não imita o que já existe (nos colégios religiosos e militares) e não passa para os pobres? Vai saber, né!
Pois bem, nesse meu discurso enorme vocês viram em alguma parte eu dizer que boa parte professores nos ensinam a como ensinar a criança a ler? Não, né? Porque esses magísteres não nos ensinam.
São discutidas questões políticas, colocam a culpa no capitalismo, se fazem de vítimas do sistema, mas na hora de ensinar as crianças a ler e a escrever, não o fazem. Ensinar as crianças a fazer operações matemáticas, também não! Está aí a explicação para uma educação de pouca qualidade. Começa na formação dos professores. Eu pesquiso por fora, compro livros, assisto vídeos que possam me ajudar, mas e quem não faz isso e sai da faculdade acreditando nessas barbárie? Eu te respondo: eles, os professores, que um dia estavam na faculdade sendo doutrinados, um dia doutrinarão seus filhos. Tomem cuidado!
*Jenifer Castilho é estudante de Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

3 comentários:

  1. Olha, Jenifer, só posso lamentar se a sua faculdade não lhe proporciona didática suficiente para ministrar matemática, por exemplo. O que me surpreende, haja vista, é a UERJ.

    Eu cursei Pedagogia na UNESP e posso dizer que, minha experiência, consigo lecionar matemática muito bem. O excelente professor José Carlos Miguel, nos fez caminhar pelo ensino da matemática construindo um sistema binário e fazendo cálculos nele. Nada demais, diga-se de passagem. Mas é aí que se começa a compreender a matemática e o sistema decimal.

    Eu acho que você poderia adentrar mais na sua experiência como graduanda em Pedagogia, por exemplo, como assim não aprendeu ainda a alfabetizar? Nada de Emília Ferrero? Nada de Piaget? Sério?

    E a propósito, Paulo Freire é referência em EJA, não em alfabetização pré-escolar.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Felipe.

      Obrigada pelo seu comentário.

      Com certeza já foi citado na minha faculdade Emília Ferrero, Piaget, Paulo Freire e tantos outros autores socioconstrutivistas. Inclusive, já li livros de todos eles. Mas vou te responder com a frase de um livro do autor (de esquerda) Pierluigi: "Muitas escolas privadas, que insistiram em não admitir que o construtivismo, com seu séquito de Paulo Freire, Piaget e Vygotsky, foi um gigantesco equívoco, acabaram fechando as portas, abandonadas por pais indignados com o desempenho de seus filhos nas práticas de leitura, escrita e nos mais elementares cálculos.
      Centenas, talvez milhares de laudos falsos de dislexia, TDAH, discalculia etc. foram forjados por psicopedagogos coniventes e neurologistas extremamente mal informados.
      Em meio a esse caos, muitas escolas particulares voltaram ao paradigma tradicional, ressuscitaram a cartilha silábica e retomaram a memorização da tabuada." PIERLUIGI - Ensinando a Inteligência.

      Entenda que minha crítica é ao socioconstrutivismo, é só olhar o ranking do PISA, Finlândia tem um dos melhores sistemas de ensino do mundo que, não por acaso, é tradicional. E os últimos lugares no ranking da educação está com Argentina que desceu muitos degraus depois de aplicada a técnica de Emília Ferrero.

      Um grande abraço!

      E sinta-se a vontade para discordar de mim, rs. ;)

      Excluir
    2. Olá, Jenifer!

      Não discordo do mestre Piazzi, confesso que conheço pouco dele, mas se ele afirmou que muitas lugares fecharam as portas por conta de fracasso na forma de ensinar, não tenho porquê discordar.

      A título de curiosidade, a Finlândia pretende alterar o sistema de ensino para a inclusão de projetos e para que o aluno se aproprie do processo de aprendizagem. Se vai decolar? É provável que sim... Eles fazem as coisas com seriedade.

      O ensino tradicional funciona? Mas é claro que funciona! Não sei a sua idade, mas eu fui alfabetizado com cartilha Caminho Suave.

      A minha crítica geral à Pedagogia brasileira é que elegeu-se um método, no caso, o construtivismo, e mesmo sem domínio da coisa, foram empurrando goela abaixo dos professores e vendo no que ia dar isso ai.

      Tem muito método e muita coisa. Se o professor obtém bons resultados com cartilha, qual o problema em utilizá-la? Se obtém bons resultados com o método histórico crítica (Vigotski), qual o problema? Se obtém bons resultados com o construtivismo em Piaget, qual o problema?

      E ainda temos Waldorf e Freinet. Eu ainda prefiro o britânico Herbert Read e sua arte-educação e funciona... Pra mim... Pode não funcionar para o colega de sala do lado.

      Precisamos ser mais pragmáticos no quesito pedagógico. A coisa tem que deslanchar mais.

      Abraço pra ti. Aguardo resposta

      Excluir